As terras banhadas pela bacia da Prata estão entre as mais ricas do mundo em termos de produção agrícola, levando o oeste do Paraná a ser recordista mundial na produção de soja, atingindo mais de 6.000.000 tons/ano para exportação. Por outro lado, os campos de trigo e soja da Argentina contribuem para fazer de Rosário o maior complexo agroindustrial do mundo, de onde se embarca grande parte dos grãos (principalmente trigo) exportada para o Brasil.

Embora incontroversas as vantagens do transporte fluvial, dificuldades são encontradas no que tange a efetivação deste na região da Prata, visto a existência de barreiras de navegação praticamente intransponíveis, decorrentes da Barragem de Itaipu e das Cataratas do Iguaçu, o que fazem de Foz do Iguaçu parada obrigatória para todas as mercadorias transportadas pela hidrovia neste trecho tão importante do cenário regional.

Alguns dos Portos da mesma Bacia Hidrográfica do Porto do Rio Iguaçu estão os de Buenos Aires, Rosário, Diamante, Santa Fé, Zárate e Paraná, localizados na Argentina; Resistência, Três Fronteiras, Triunfo e Palomas, no Paraguai; e Nueva Palmira e Concepcion Del Uruguai, no Uruguai.

Os produtos com maior demanda são: soja, cevada, malte, milho, trigo, açúcar, arroz, sorgo, acrescendo-se em um futuro próximo aves, suínos, fertilizantes, manufaturados e minérios,entre outros.

A área de influência comercial do Porto do Rio Iguaçu abrange no Paraná, as regiões oeste como Cascavel, Campo Mourão e Foz do Iguaçu; sudoeste, Pato Branco; noroeste, Umuarama; norte com os pólos produtores de Londrina, Maringá, Apucarana e Cornélio Procópio; centro leste, Curitiba e Ponta Grossa; e o Mato Grosso do Sul, na região de Dourados. Especificamente no sentido de importação de trigo e derivados abrange também os estados de São Paulo e Santa Catarina.